«

»

out 09

Entrevista com o Yanni na TV Chinesa

Yanni concedeu no final do mês de setembro uma longa entrevista para um canal de TV na China. O YannInsideBrazil traduziu literalmente todas as respostas que o Yanni deu no vídeo que você pode conferir clicando na imagem abaixo.

E a tradução está aqui para você acompanhar. Temos certeza de que você irá adorar e se emocionar com essa entrevista especial:

Início da entrevista:

    Yanni, bem vindo a China! Já faz 15 anos desde sua última visita, portanto poderia nos contar o que acha da China agora?

Estou muito feliz por estar aqui. Estive esperando para voltar à China por tantos anos e pretendo retornar novamente em aproximadamente a cada um ano, um ano e meio. Estou muito animado por estar de volta. Este é um grande país. Todo o mundo tem visto a China explodir (no sentido de expansão).  E estamos todos muito felizes. Eu estou muito feliz pela China.

Lembro-me de algumas cidades, na última vez  que estive aqui com muitas construções, muitos prédios sendo erguidos e agora estão todos terminados. Mal posso esperar para voltar a Shanghai, Guanghzou… Estou tentando aprender um pouco sobre as tonalidades das palavras.

Após as imagens do show na Cidade Proibida:

 - Em 1997 você se apresentou por duas noites na Cidade Proibida da China. Eu estava lá e me lembro que aquelas noites foram realmente mágicas e a platéia ficou muito entusiasmada. Imagino que você tenha ficado muito impressionado com a platéia na Cidade Proibida também, não ficou?

Nunca poderia esquecer a Cidade Proibida. Aquelas foram noites mágicas. Você sabe, o lugar. Só de estar lá já te dá arrepios. E todas as luzes, as pessoas, os espectadores chineses são magníficos. O que gosto sobre os espectadores daqui é que quando você toca uma música mais voltada para o clássico que requer silêncio, eles ficam em silêncio. Você pode ouvir um alfinete caindo. E quando é o momento de ficarem em pé e agitados (turbulentos), eles acompanham e vão à loucura com muito som e isto é maravilhoso para os músicos no palco. Isso nos inspira.

Após a música Nightingale:

-          Você tem uma composição chamada “Nightingale”. Conte nos por que escreveu essa música?

Eu soube que estaria vindo à China um ano antes do show e estava buscando por uma música que se mostrasse apropriada para  tocar na Cidade Proibida, pois eu queria tocar na Cidade Proibida e aconteceu de um pássaro chamado rouxinol (Nightingale), vir cantar na minha janela em Veneza, na Itália. Naquele momento seus sons se pareciam muito com a flauta chinesa nas freqüências mais altas e eu fiquei ouvido e aquilo me inspirou e me deu a idéia e pensei: e se eu começasse com isso? E eu comecei e abri meu coração para isso. É difícil capturar uma cultura se você não a viveu. E especialmente uma cultura tão vasta como é a chinesa e tão diversa como ela é. E o que também é interessante é que não somente o povo chinês ama essa canção. Onde quer que eu vá, no mundo me pedem por “Nightingale”. Eu vou para a América do Sul e posso ouvir “Nightingale”! Existe uma emoção e uma paixão. A música ultrapassa línguas e culturas e vai diretamente ao subconsciente e os seres humanos são muito parecidos, muito similares.

- Você já ouviu alguma música ou instrumento tradicional chinês como o Er Hu?

Yanni responde: sim, conheço alguns. Não sou um expert. Têm muita paixão. Eu amos esses instrumentos. Quando estive aqui em 1997, fui apresentado a muitos, como se chama aquele….”Pipa”. Muitos desses instrumentos eu tenho ouvido e muitos jovens e crianças tocando esses instrumentos e nós dizemos: WOW!! É sensacional!

 

- Sua música tem mudado nos últimos 15 anos e a China mudou também. Em sua turnê pela China você apresentará algo novo para nós?

Tocarei muitas das antigas músicas favoritas tais como….. Ah, eu quero surpreendê-los, não quero contar exatamente o que tocarei.. Mas também há muitas novas peças musicais que irei apresentar. É uma combinação de beleza e energia. Algumas vezes ficamos pesados com os ritmos, nos divertimos, se torna muito intenso e em outros momentos se tornam completamente mais clássicos, mas não é música clássica, é “Yanni Music” !! Elas têm influências clássicas. Espero que haja um bom equilíbrio em todo o concerto.

1996  -  Após a música Tribute

Um resumo da carreira de Yanni desde o nascimento aparece em fotos.

- Sua música tem sido chamada de New Age por muito tempo, mas ouvi que você  nunca concordou com isso.

Yanni diz: New Age não significa nada. Eu não sei o que é New Age. Eu entendo a necessidade da sociedade em haver rótulos. Se você vai à mercearia comprar algo, se você for à sessão de laticínios, você vai encontrar o leite. Mas tenho problemas quando você tenta colocar nomes em arte. E tenta-se dizer: isto é desse tipo e isso é desse tipo… não, não é! Se você ouvir minha música desde que comecei, todos os meus álbuns, no começo eu era chamado de músico eletrônico, pois todos os instrumentos que usava eram sintetizadores e teclados eletrônicos. Portanto aquela era música eletrônica. Mas a música que toco atualmente, toco com uma orquestra sinfônica e é a mesma música. É New Age? Acho que não… Eu a chamo simplesmente: Música. Sou um compositor. Utilizarei qualquer instrumento de qualquer cultura de qualquer país do mundo. Qualquer ritmo, qualquer combinação de som enquanto eu sentir que esteja comunicando uma emoção a todos no mundo. Você não precisa traduzir.

Outra pergunta

Se eu penso que é? Sim, tem elementos eletrônicos, certamente. Entretanto, quer seja música eletrônica quer seja qualquer forma que a queira chamá-la é sobre o coração, é sobre alma, é como você se sente, entende? Música é uma linguagem muito poderosa. Ela ultrapassa a lógica. Você não precisa entender as palavras, não precisa explicar nada. Você simplesmente sente. Eu posso tocar duas notas e fazer seu coração bater diferente.

Sobre o álbum Truth of Touch

O ultimo álbum que fiz que se chama Truth of Touch.. os ritmos são muito dominantes, mais que o normal. Acho que é uma mistura completa entre acústicos e eletrônicos novamente. Acho que tenho sido muito bem sucedido com ele. Meus fãs têm apreciado e estamos indo muito bem e estou muito contente com isso. E iremos tocar algumas dessas músicas. Elas tendem a ser um pouco mais intensas mais emocionantes para performances ao vivo.

Não posso realmente explicar. Todo o álbum quando você o ouvir o sentirá. É um sentimento. Quando coloco títulos às minhas canções para meus álbuns tomo muito cuidado em não “encaixotá-las”. A maioria das minhas músicas não possui letra. E eu gosto disso. Pois faz com que as pessoas criem suas próprias histórias. Estou falando sobre emoções e não sobre circunstâncias. Isso é muito, muito importante. Portanto “Truth or Touch”: é como se eu estivesse tocando você e há uma verdade através disso (desse toque).

Eu quero tocá-los. Quero elevá-los. Quero dar-lhes esperança. Mas todas essas coisas você não pode fabricar. Você não pode simplesmente dizer: ok agora eu vou escrever uma música para dar esperança às pessoas. Penso que eles estão dentro de minha música porque eu coloco o que penso sobre a vida. Eu tenho esperança. Eu olho para o futuro como algo positivo. Mesmo que eu talvez esteja em uma situação muito difícil, eu sempre pensarei como irei resolvê-la no futuro para que tudo fique melhor.

Eu tenho esse otimismo e isso está junto de tudo o que você cria, seja você um pintor, escritor, um músico, você entende, tudo o que está dentro de você, o que você é vai junto com sua arte.

- Eu ouvi dizer que você sempre cria e compõe no escuro. Poderia nos contar por quê?

Ah, isso é muito fácil. Quando você fecha os olhos, seus ouvidos se tornam muito mais sensíveis. Sua audição, seu sentido de audição aumenta. Entretanto, eu tento não estar em lugares com muita luminosidade, como este, por exemplo, ( rsrs), quando componho. Não significa que eu não possa compor com a claridade. Mas algo acontece quando sua visão fica minimizada, os sentidos ficam aumentados. Também prefiro compor em silêncio. Eu não preciso tocar o piano para escrever música. Eu posso pensá-la. É muito mais poderosa, muito mais precisa. E especialmente quando componho peças (musicais) complicadas, me sento e as escuto na mente e tento escrevê-las rapidamente. 

- Em seus álbuns podemos sentir sua paixão e imaginação. Como você manteve essa paixão por 30 anos?

Não… é uma ótima pergunta. É porque eu amo o que faço. Sou apaixonado pelo que faço. E é o conselho que quero dar a qualquer criança quando me perguntam: como fazemos para ter uma carreira? Eu digo que você tem que ser apaixonado pelo que faz na vida. Você tem que amar o que faz e, eu tenho muita sorte, pois meu trabalho, que não considero como trabalho, escrever músicas, é uma paixão é um amor que eu tenho. Eu não posso imaginar a vida sem música.

- Você teme perder sua imaginação ou inspiração algum dia?

Não posso dizer que não tenha pensado nisso ou que não tenha ficado ansioso, mas por curtos períodos de tempo. Não acredito que a criatividade tenha um fim. Penso que algo que chamo de bloqueio mental, um bloqueio criativo seja uma ilusão. Acredito que isso somente aconteça porque sua vida se torna estagnada. E quando sua vida fica estagnada sua arte fica também. Lembre-se do que falávamos antes: quem você é e todas as suas experiências afetam tudo o que você cria. Portanto quanto mais lugares você visitar, como esta noite, por exemplo, estou sendo entrevistado por você aqui em Beijing, na China, e estou muito feliz por estar aqui e amanhã e daqui a alguns dias estarei em turnê, viajando por todo o mundo, me deparando com todas essas culturas. É um material tão renovador, eu sou tocado pelas pessoas. Eu aprendo! Se você sempre aprender, sempre estiver em movimento, então sua arte nunca ficará estagnada.

Entra novamente a música Tribute

Entra a música Santorini em Acrópolis

- Você poderia descrever as características da música grega?     

Esta é uma pergunta difícil, pois existem muitos tipos diferentes. Existem influências do Oriente Médio, Espanha, Itália, da Armênia, você pode ouvir tudo isso na música grega. Mas o que realmente me influenciou muito quando eu era criança foi que tínhamos um pequeno rádio (grande…  risadas…). Oh, o rádio de ondas curtas e à noite eu me sentava e escutava as estações de rádio. Eu conseguia captar estações tarde da noite quando tudo estava quieto, pois a Grécia está na ponta, vivíamos na ponta da Península na Grécia, portanto você pode captar a parte norte da África, Itália, Espanha, todo o lado do Oriente Médio e podem-se ouvir diferentes estações de rádio circundando todo o Mediterrâneo. E aquilo me influenciou muito!

- Sabemos que existe um instrumento musical muito tradicional na Grécia chamado Lira. Você já o utilizou em suas músicas?

Não. Não utilizei, mas se você for ao meu estúdio tenho uma grande Lira. Está na parede. Não é uma de verdade. Nós a construímos, porque eu gosto muito símbolo. Para mim ela é o símbolo da música.

-          Poderia nos dizer como a música tradicional grega influenciou sua música?

É uma excelente observação. Claro que existe uma influência mediterrânea, certamente. Quando componho, somente deixo minha alma falar. Eu não digo: irei compor uma música que seja influenciada pela música clássica ou pelo Rock and Roll. Eu somente penso: sobre o que falarei? A emoção é muito forte e tem que sair. E eu simplesmente faço isso.  Não há regras na música. Nós pensamos que existem regras. Não existem! A música muda de um ano para outro, de uma cultura para outra e as músicas boas, as que foram feitas de forma não fabricadas, mas as verdadeiras, onde exista ser humano realmente lhe dizendo que o que está dentro dele, este tipo de música ficará. E como qualquer outro artista do mundo, minha esperança e meu sonho sempre foram que eu estivesse escrevendo músicas que ficassem, permanecessem através do tempo.

- Você possui uma maravilhosa música chamada Santorini. Poderia nos falar o que é a ilha de Santorini?

Santorini é uma das mais lindas ilhas do mundo e penso que seja a ilha mais linda da Grécia. É uma ilha vulcânica dos tempos antigos e é absolutamente, deslumbrantemente esplêndida!

E a canção descreve a vida da ilha no período de um dia, de manhã até a noite. Mas possui um significado mais profundo, não somente sobre as rochas e o oceano, o azul do céu, os barcos e tudo isso. Tem mais a ver com o que eu sinto quando estou naquela ilha. O que ela me faz sentir quando estou olhando daquelas falésias e vejo o por do sol. Santorini, provavelmente eu sempre tocarei essa música. Faz com que você se sinta voando. Eu me sinto como se estivesse saltando da falésia e me mantenho voando.

Sim, é um belo lugar, calmo. É um bom lugar para se tomar um vinho e relaxar.

Eu perdi minha mãe faz alguns anos, mas meu pai ainda vive lá e tenho muitos familiares lá também.

   - Eu soube que você enfrentou problemas quando do término de sua turnê Tribute em 1998. Poderia nos contar o que aconteceu naquela época?

Yanni fala sobre a sua depressão de 1998

Wow, eu não quero dar um tom para baixo na entrevista, mas passei por momentos muito difíceis. Eu trabalhei muito. Fiz muitas coisas. Até aquele momento eu não havia parado de fazer turnês e lançar álbuns desde 1986. Lancei um álbum por ano. E em 1997 fiz 120 concertos e ainda estive na Cidade Proibida, fiz um vídeo e um álbum, estive no Taj Mahal. Aqueles foram projetos enormes para montar, além de uma extensa turnê mundial. E eu fiquei cansado. Então eu fui para a Grécia e fiquei distante por um tempo e foi a melhor coisa que eu poderia ter feito.

Nova pergunta – como se sente agora

Absolutamente. Agora estou muito animado. Quero somente continuar. Iremos para a Rússia, Moscou e São Petersburgo, Bucareste, Budapeste e depois iremos para Oman e Dubai e Turquia e Cingapura e … e iremos viajar muito realmente e vamos continuar indefinidamente. Mas desta vez, terei folgas regulares de forma que eu me certifique que não me machuque.

Música: The End of August

-          Você possui uma biografia chamada “Yanni in Words”  e o primeiro capítulo se chama “Permitir-se ou tolerância” – Poderia nos contar por que você utilizou essa palavra como título do primeiro capítulo?

Porque tolerância é extremamente importante. Especialmente agora para nosso Planeta. Todo mundo, precisamos do mínimo. Estou falando sobre amor, estou falando sobre aceitação, tolerância é o mínimo requisito para este planeta funcionar. E temos que aprender como aceitar outras formas de viver e de existir e se ao menos pudermos fazer isso, se pudermos aceitar, tolerar, é algo muito… Eu não quero me tornar muito filosófico, mas é uma palavra extremamente importante, uma atitude extremamente importante. Temos visto nos últimos anos muitas coisas ruins acontecendo e muitas pessoas sendo intolerantes. É como se fosse: “se você não for eu, se não puder ver a vida como eu vejo, há algo errado com você!” Bem… eu não sei.. e por isso tenho viajado pelo mundo e entrando em contato com tantas culturas diferentes, e observado a todos e visto como eles comem, o que eles comem, como aproveitam a vida, qual o significado da vida para eles. E tudo, desde a índia até a Grécia, até a China, América, Canadá, Brasil, há tanta variedade, tanta grandiosidade na humanidade. E se demonstrarmos somente uma pequena quantidade de tolerância, temos uma chance de ficarmos juntos e acalmarmos tudo.

 - Você poderia descrever a relação entre você e sua música?

Eu tenho muita sorte por amar o processo criativo, adoro fazer algo do nada. Amo quando fecho os olhos e posso ouvir uma canção tocando e ela quer ser expressa. Dá significado a minha vida. Me cura, me completa, eu encontro consolo nele se estou sofrendo. Antigamente eu diria que é uma fuga. Se minha vida pessoal não estivesse indo muito bem eu corria para o estúdio e me escondia. Eu não faço mais isto. É provavelmente meu melhor amigo. Tem sido uma das ferramentas mais confiáveis na minha vida. E eu não consigo imaginar a vida sem música.

Tradução: Alba Mendes

colaborador da tradução das perguntas do Chinês para o Inglês: Zhaoyang ( fã chines do Yanni)

 

15 comments

  1. Maria helena Melo

    Faz pouco tempo que vi esta orquestra na TV, fiquei apaixonada por Yanni , belissimo fisicamente e ele toca com o corpo todo, ´e maravilhoso, o jeito que ele de conduzir as notas das musicas é divino, qualquer pessoa se sente em um mundo transbordante de amor tudo faz sentido quandoele toca, os trejeitos com a boca, com as mão, com o corpo,,fico enlouquecida de amor, te amo Yanni.

  2. Alba from Brazil

    Olá Elaine,

    Fico extremamente contente em poder proporcionar essa emoção aos fãs brasileiros do Yanni! Quando tiver qualquer dúvida sobre o que ele vier a dizer em qualquer vídeo pode enviar para o YannInsideBrazil que teremos imenso prazer em traduzir para você ! Mesmo que seja em Grego…. :-)

    Beijo e obrigada por participar de nosso Blog!

  3. Alba from Brazil

    Obrigada, Lúcia!

    Bom saber que você está gostando de nosso site! Você faz parte desse trabalho e é muito bom tê-la por aqui! :-)

  4. Elaine Cristina M Martins

    Lindo de mais!!!
    Cada vez mais entendo como ele é especial. Nossa chorei, fiquei emocionada, ele sitou até o Brasil, isso é muito legal.
    Obrigada, mais uma vez.
    beijos

  5. Lúcia

    Alba,
    É uma satisfação imensa ter acesso a todo o conteúdo que você disponibiliza no seu site. É bom demais, obrigada !!!!!

  6. ernestina amaro

    Este Senhor é de uma sensibilidade extrema. A sua música transcende fronteiras, idiomas ou outras barreiras… somente porque transmite muito amore nos eleva para lugares mágicos, calmos e serenos. è bom saber que o Planeta é composto por seres assim!!!!

  7. Alba from Brazil

    Agora que se emocionou fui eu. Faço esse trabalho com carinho para vocês!!! Quero que todos tenham as mesmas emoções que eu ao ler e entender o que o Yanni divulga pelo mundo, que vai muito além de sua música!

    Obrigada pelo carinho, incentivo e por estar aqui sempre participando de nosso site! Isso faz toda a diferença e é um super combustível para que eu me dedique e faça sempre mais!
    um beijo carinhoso,
    Alba

  8. Terezinha

    Alba,

    I love you! Very, very thank you for the gifts! Beijos

  9. cristiane

    Amiga…..sem palavras prá agradecer o carinho….eu chorei de novo….muita emoção, a gente pensa que ele sendo tão surpreendentemente talentoso, não tem tempo prá observar o que está a sua volta e identificar o mínimo que faz muita diferença, na verdade SALVA VIDAS!!! T O L E R Â N C IA!! Fantástico é por isso que ele é o que é e faz juz ao significado do nome que eu uso constantemente para elogiar alguém, assim como vou utilizá-lo agora prá vc minha querida Alba, VOCÊ É UM YANNI prá nós , um PRESENTE DE DEUS.

    Bigada pelo carinho,

    fika com Deus sempre, e ouça o canto dos pássaros,

    bjao

    Cristiane Yanni

  10. Aida

    Só você mesmo, Alba! E que entrevista linda! Eu lia e escutava a voz do Yanni!
    Obrigada!

  11. Aida

    Só você mesmo, Alba! Só você! Que entrevista linda!

  12. Regina Muliteno

    Ótima entrevista Alba. Obrigada! :)

  13. Fatima Alves

    Olá querida!!!
    Obrigada, mais uma vez pelo seu “esforço” em nos descrever o que ELE disse nessa longa entrevista….
    E, quanto à tradução turca, não me esqueci não, viu? É que ainda não consegui falar com o meu amigo… Me aguarde…
    Bjs e uma ótima semana!!!

  14. Alba from Brazil

    Menina! Essa deu trabalho! Foi bem longa, mas o resultado valeu a pena! Acho muito importante que todos entendam a maneira de pensar e se expressar do Yanni, pois completam o seu perfil musical! não acha?

    Que bom que gostou!

  15. Patricia Iastrenski

    Oba, Alba… muito obrigada por traduzir pra nós :)

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>